Espaço Político

12 fev
2017

CENTRO DA JUVENTUDE É DEBATIDO COM A COMUNIDADE DA RESTINGA


Depois da comunidade da Lomba do Pinheiro, foi a vez da Restinga conhecer os detalhes do Programa de Oportunidades e Direitos (POD/Juventude) e esclarecer dúvidas sobre a implantação do Centro da Juventude no bairro. Reunidas no CTG Porteira da Restinga lideranças comunitárias e dirigentes da Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos e da prefeitura de Porto Alegre participaram hoje (07/12) , do 1º Seminário da Juventude da Restinga.

A abertura foi feita pelo secretário adjunto da Justiça e dos Direitos Humanos, Eduardo Biacchi, que deixou uma mensagem otimista a comunidade ao deixar claro tratar-se de ”um Programa de Estado e não um Programa de Governo”. O Secretário fez um chamamento aos jovens no sentido de trazê-los para o acolhimento. Conforme Biacchi “a Restinga é vencedora. Quando se organiza vence qualquer barreira por isso precisamos pegar essa potencialidade positiva para que sirva de referência a outros projetos a serem implantados”, concluiu.

A representante da prefeitura de Porto Alegre Clarice de Lima Abraão lembrou das conquistas da comunidade graças a união das entidades. Disse que os jovens não estavam presentes , mas estarão no próximo evento e também serão protagonistas do projeto considerado fundamental para mudar o quadro de violência juvenil.

As líderes comunitárias Almerinda Rosa de Lima e Leila Azevedo, do Fórum Regional de Justiça e Segurança da Restinga, se manifestaram parceiras do Programa. Alertaram, porém, que a construção e implantação do Centro da Juventude da Restinga precisam ser feitas de forma coletiva. “Queremos crescer juntos” disseram.


O líder comunitário, Nelson da Silva, um dos fundadores da Restinga, fez um histórico sobre o surgimento da “Nova Restinga” destacando a exclusão dos moradores existentes no local quando da construção da parte nova. Relatou que a partir do surgimento dos zumbis (para se referis as entidades que surgiram ao longo dos anos na Restinga) a realidade mudou. A comunidade passou a ser ouvida e muitos serviço públicos foram conquistados. “Não podemos perder esse momento (Centro da Juventude). Temos uma rede organizada e , se o projeto contempla ensino, música e arte já é motivo para estarmos satisfeitos, concluiu.

O consultor do Programa POD/BID e do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNIDOC) Eduardo Pazzinato, fez um histórico sobre a violência com destaque para a violência juvenil. Ao se referir a violência local fez referência aos 10 fatores que contribuíram para a violência como o aumento da letalidade das violências com ênfase entre jovens; interiorização da prática das violências e crimes junto a cidades médias e pequenos países; falta de articulação institucional entre os agentes de segurança e justiça; baixo nível de modernização do sistema de segurança e justiça; reduzida transparência na gestão da informação e baixo capital institucional de controle dos crimes violentos e daqueles com resultado morte a partir do emprego; ausência de uma política sobre drogas ; falta de consciência institucional e ampliação do sentimento de insegurança e medo nas cidades.

“Precisamos construir socialmente a cultura da paz”, disse Pazzinato, ao falar do Programa. O POD- Juventude nasce baseado em experiências que deram certo em outras localidades. Deixou claro, porém, que para dar certo precisa da articulação de todos (população e Governo), onde todos sejam corresponsáveis. O Programa nasce do sesafio de redução entre polícia e comunidade, da construção de oportunidade e lazer; vínculos com a escola; e redução da evasão escolar.

O diretor do Escritório de Projetos da SJDH, Aldo Peres, também, se manifestou sobre o POD-Juventude explicando a comunidade os detalhes do Programa. Disse que entre os objetivos do Programa estão a melhora na inserção dos jovens em situação de risco ao sistema educativo e ao mercado de trabalho; o aumento da efetividade da polícia no âmbito local; redução da taxa de reincidência da população jovem em conflito com a lei; e melhora a articulação dos serviços de prevenção e controle do crime destinados ao grupo etário com mais alto risco.

Aldo Peres garantiu a participação da comunidade na construção dos serviços que serão disponibilizados no Centro da Juventude e que o Escritório de Projetos está executando a última etapa necessária para a seleção da entidade que vai administrar o Centro da Juventude da Restinga. Conforme Aldo Peres em 10 dias espera poder anunciar o nome da entidade vencedora e assinar o contrato antes do natal.

A diretora do Departamento de Justiça da SJDH e responsável pelo componente institucional do POD/BID, Ana Severo, também, garantiu a participação da comunidade no processo de construção e execução do Centro da Juventude. Ela falou, ainda, da importância do monitoramento e fiscalização do projeto com a participação de todos (Governo e Sociedade). Ana Severo informou que no próximo dia 15 de dezembro conduzirá uma reunião para tratar de possíveis falhas que possam estar ocorrendo na execução do POD-Socioeducativo, diante da manifestação do representante do Centro de Referência Especial de Assistência Social da Restinga Extremo Sul (CRES Restinga Extremo Sul), Sandro Antunes, ao reclamar do funcionamento do Programa.

O diretor da TV Restinga, Márcio Figueira, pediu garantia de participação das entidades locais na prestação de serviços do Centro da Juventude, citando como exemplo a possibilidade de inclusão de oficinas de qualificação profissional entre as atividades do CJ.

Outra representante da prefeitura de Porto Alegre, Otília Abreu, também, reiterou a importância de participação da comunidade garantindo que o Programa não corre o risco de abandono ou que acabe no decorrer dos anos como temem algumas lideranças com base em outros projetos que não tiveram sequência com o passar dos anos.

O diretor de Políticas Públicas para a Juventude da SJDH, Ricardo Bassi, disse que o Programa está consolidado e os Centros da Juventude já são realidade. Sobre a manutenção do POD esclareceu que se a parceria Governo e sociedade se manter o Programa está garantido.

Também participaram do Seminário representantes do Pro-Jovem, Associação dos Moradores da Chácara do Banco – Restinga, Associação das Promotoras Legais Populares, entre outros.

Em seguida o vídeo da cobertura feita pela TV Restinga.
Texto: Ass. Com. SJDH
Fotos: Márcio Figueira TV Restinga

Os comentários estão fechados.